A mesa dos pães

O segundo móvel do tabernáculo descrito em Êxodo 25 é a mesa dos pães da preposição. Como dissemos, a seqüência é importante quando se descrevem os móveis do tabernáculo. Primeiro está a arca no Lugar Santíssimo, porque representa a Cristo; em seguida, avançando para fora, no Lugar Santo, há dois, primeiro do lado norte –a mesa– e o outro ao sul – o castiçal.

A mesa, pois, está em segundo lugar. Ela era feita de madeira de acácia, recoberta de ouro. Tinha uma guarnição de ouro, uma moldura de ouro, quatro anéis, um em cada esquina, e varas para transportá-la. Sobre a mesa deviam ficar semanalmente doze pães, um por cada tribo.

Esses pães da proposição representam ao povo de Deus, e a mesa nos fala de comunhão (Ap. 3:20). Ela é a expressão da comunhão do povo de Deus. Os pães passam por um processo antes de chegar a ser tais. Há trigo moído, amassado e cozido. Da mesma maneira, o povo de Deus não é o conjunto de grãos, quer dizer, não são indivíduos, mas sim homens e mulheres cujo ego foi moído até o pó, para chegar a ser um.

O fogo do forno é parte importante do processo. Submetido a altas temperaturas, o pão chega a estar em condições de ser comido. Como poderia o Filho de Deus comer um pão cru, ou uma "bolo não virado" (Os. 7:8), quer dizer, cozida por um lado mas cru pelo outro? Na mesa do Senhor, na comunhão com Cristo, há pães devidamente amassados e cozidos.

Há quatro coisas que caracterizavam a vida da igreja em Jerusalém, nos tempos dos apóstolos: "E perseveravam na doutrina dos apóstolos, na comunhão uns com outros, no partir do pão e nas orações" (Atos. 2:42). Estas quatro coisas guardam estreita relação com os principais móveis do tabernáculo, sendo o primeiro deles a arca, "a doutrina dos apóstolos", quer dizer, Cristo. A segunda dessas coisas, quer dizer, "a comunhão uns com os outros" é a mesa dos pães da proposição.

Devemos ter o que oferecer ao Senhor quando vier ter comunhão conosco. Assim como nós comemos do Pão vivo que desceu do céu (pois ele se deu a nós), ele também come de nós, e então temos que estar convenientemente amassados, quer dizer, tendo perdido nossa individualidade, e assados, quer dizer, julgados e despojados de nossa condição natural. Nada do velho deve ficar em nós. Devemos chegar a ser agradáveis ao Senhor, em quem ele possa achar contentamento, porque ele é o Filho sobre sua casa (Heb. 3:6). Podemos oferecer ao Senhor uma comunhão íntima em uma mesa limpa, bem provida de pães assados, da melhor farinha?

A mesa também tem a ver com a comunhão uns com outros. Se tivermos comunhão com Cristo, então é possível a comunhão verdadeira com outros filhos de Deus. "Se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com outros" (1ª Jo 1:7).

Design downloaded from free website templates.