A recreação

Lições básicas sobre a vida cristã prática.

Watchman Nee

“Tudo me é lícito, mas nem tudo convém; tudo me é lícito, mas nem tudo edifica” (1 Coríntios 10:23).

O propósito da recreação

O primeiro propósito da recreação é satisfazer as necessidades da família. Não é para nós que estamos considerando este assunto, mas para os filhos. Para nós, se formos consagrados, a recreação é algo de menor importância. Mas em nossa família não são somente os nossos próprios filhos, mas também os nossos irmãos e irmãs mais novos, aqueles que tem sido confiado aos nossos cuidados. Agora, se eles também forem consagrados, o tema da recreação não será um problema.

No entanto, os nossos filhos podem não estar plenamente consagrados; portanto, a nossa atitude tem muito a ver com eles. O que nós permitimos ou o que proibimos terá um grande efeito em suas vidas. Por isso, a recreação é uma consideração primordial em toda a família, a fim de poder oferecer uma orientação adequada à geração mais jovem.

O segundo propósito da recreação é para nós mesmos. Um crente às vezes necessita de uma mudança. A única pergunta é quanto ou que tipo de mudança será boa.

Os adultos precisam de distrações da mesma forma que os crianças, mas resolver o que é apropriado para um cristão é algo básico para considerarmos diante de Deus. Isto não será muito difícil para nós, mas para os mais novos pode ser algo complexo.

Que tipo de recreação permitiremos que os nossos filhos tenham? Todo filho de Deus deve ter clareza sobre isto. Se houver lacunas, o mundo invadirá imediatamente a situação. Uma vez dentro, não será fácil afugentá-lo. Portanto, com interesse de manter a nossa família no Senhor, devemos prestar atenção a este assunto da recreação.

Princípios que regem a recreação

1. A necessidade

A recreação de acordo com a vontade do Senhor surge a partir do reconhecimento da necessidade dela. Um cristão não deveria ir para os extremos. O ser humano necessita de recreação. Muitas pessoas estão tão ocupadas que, se não tiverem algum tipo de relaxamento, podem adoecer e perder a sua saúde. Portanto, a renovação é o princípio básico da recreação. Isto é especialmente importante para os jovens. Não se pode pedir aos filhos que estudem desde a manhã até a noite. Temos que dar a eles algum tipo de distração, proporcionando uma mudança. Esta é uma regra a termos em mente.

A recreação é pelo bem da renovação. Quando alguém gastou cinco ou oito horas em um trabalho, fica cansado. Quando fazemos uma tarefa durante muito tempo, os nervos se tensionam e o corpo se fatiga. Para refrescar-se, é necessária uma mudança de atividade.

Por exemplo, depois que um menino estudou toda uma jornada na escola, ao voltar para casa precisa brincar por um tempo. Brincar é perfeitamente correto, porque é para o seu relaxamento. Mas se ele brincar por oito horas seguidas, sua brincadeira não será mais uma renovação.

A renovação é necessária, mas fazer da recreação a nossa vida é injustificável. Quando uma pessoa está cansada, é correto que faça outra coisa para variar. No entanto, seria errado se brincasse da manhã até a noite.

No verão, às pessoas gostam de ir nadar. Não há nada de mau nisso. Quando alguém está cansado, é bom nadar durante meia hora ou uma hora. Mas se alguém permanece na água da manhã até a noite, como um pato, isso não seria uma recreação. Temos que ver a diferença entre a recreação como renovação e a recreação como nossa vida.

2. Formas de recreação

A recreação pode assumir muitas formas. Um cristão pode desfrutar de qualquer uma das seguintes:

Descanso

A melhor forma de recreação para um cristão é descansar. Se estou cansado, devo repousar um tempo. O Senhor Jesus e seus discípulos estavam esgotados, por isso que ele lhes disse: «Vinde vós à parte a um lugar deserto, e descansem um pouco» (Mar. 6:31). O seu descanso inclui a ideia da recreação. Ele não disse: «Descansem um momento», mas: «Venham... a um lugar deserto, e descansem».

Muitas vezes a nossa fadiga é aliviada quando descansamos no campo ou perto da água. A forma mais comum de recreação cristã é o descanso.

Mudança de atividade

Às vezes você pode se sentir entediado ou ocioso. Se isto acontecer, mude e faça outra coisa. Normalmente trabalhamos por oito horas diariamente. Dedique duas horas para fazer outra atividade. Se trabalharmos sempre sentado, fique de pé. Se o seu trabalho for intelectual, faça algum tipo de esforço físico e o seu cansaço irá embora.

Embora isto não seja o que o mundo chame de recreação, no entanto, ao mudar de tarefa, você poderá aliviar a sua fadiga. Além disso, isto é algo que você pode organizar facilmente. Uma vez que o princípio da recreação é a renovação, a mudança de trabalho se ajusta a este requisito.

Passatempos

Há muitas coisas apropriadas para um cristão passar o tempo. Alguns gostam da fotografia; outros gostam de criar um casal de passarinhos; outros de pintar. Tudo isto é legítimo dentro do âmbito cristão. Uns são fascinados por tocar piano ou compor canções; outros de fazer artesanatos. Qualquer destas coisas é apropriada.

No entanto, há um princípio que rege qualquer recreação: você deve ser capaz de iniciar e deixar. Se não puder abandoná-la, algo está errado. Por exemplo, é algo inocente tirar fotos e pesquisar um pouco sobre fotografia; mas não deixe que isto te absorva muito. Se estiver bem no caminho espiritual, estas coisas não te estorvarão, mas não seria correto para você sentir que deve tirar fotos.

Jogos

Há muitos jogos de habilidade como xadrez, jogos de bola e esportes, que são recomendáveis. Embora exista o elemento da vitória e da derrota, no entanto, não deixam de ser apropriados, porque põem em jogo a habilidade. É bom deixar que os meninos pratiquem tênis de mesa, basquete ou futebol. Não há nada inerentemente pecaminoso em tais jogos.

Os pais devem ser mais indulgentes com seus filhos nessas coisas. É possível que as pessoas mais velhas não tenham tempo para praticar esportes, mas não devem impedir que os jovens participem deste tipo de atividade. É correto que desejemos que tenham o seu tempo para o Senhor, mas eles também necessitam algo que lhes tragam recreação. Alegremo-nos de que o tenham.

Até agora mencionamos quatro tipos de recreação: descanso, mudança de atividade, passatempos e jogos. Tudo isto é permissível para os cristãos. Mas um cristão nunca deve deixar-se dominar por nenhum deles. Estar debaixo do seu controle é um erro.

3. Ajudar-nos para trabalhar

Por que precisamos de recreação? Para nos ajudar a trabalhar melhor. A recreação tem um propósito; não é um fim em si mesmo. Não jogo bola só porque eu gosto de jogar, mas para poder trabalhar melhor. Não durmo só porque eu gosto de dormir, mas para poder trabalhar melhor. Não cultivo flores só para eu apreciar, mas para poder trabalhar de maneira eficiente. Essas coisas são permissíveis porque nos ajudam a trabalhar melhor e a servir a Deus de forma melhor; mas nunca devem ser uma perturbação para nós.

Às vezes vemos pessoas trabalhando em excesso dia e noite em uma tarefa. Se continuarem assim durante duas ou três semanas, a sua mente e a sua força física irão se esgotar. Seria melhor para eles pedir ao Senhor orientação sobre alguma forma de distração. Depois de trabalhar sete ou oito horas, deveriam mudar de atividade. Isto tem por objetivo nos restaurar. É aumentar, não diminuir, a sua eficiência. Devido ao refrigério da recreação, o trabalho pode tornar-se melhor e assim poderemos servir a Deus de uma maneira mais eficiente.

4. Os jogos de azar

Há um requisito essencial quanto aos jogos que devem ser permitidos: eles devem envolver habilidades. Nenhum deve ser de mera sorte. Um jogo é recomendável somente se depender da habilidade, não do azar. Se requerer habilidade e azar, irá se converter em um jogo de azar. Se tudo for casualidade e não há habilidade, definitivamente é um jogo de azar. Os jogos de dados são um jogo de azar, e os cristãos não devem participar dele. Os jovens podem jogar xadrez e damas porque é uma questão de habilidade, não de sorte.

5. Saúde para o corpo

Toda recreação deve ser conveniente para o corpo. Este é um princípio básico: a recreação deve beneficiar o corpo. Portanto, antes de escolher um tipo de recreação, deve-se considerar se é ou não de proveito físico. Se a recreação trouxer dano para o corpo, violará um princípio elementar, e é altamente questionável. Por exemplo, se um irmão tiver tuberculose, a sua recreação deve ser de natureza tal que não piore o seu estado. Ou se uma irmã tem problemas cardíacos, poderá buscar alguma recreação ligeira para aliviar a sua fadiga sem afetar o seu coração.

Devemos compreender que todo o nosso corpo pertence ao Senhor. Se nos recrearmos, é para o Senhor, e se não o fizermos, também é para o Senhor. Nada é para nós mesmos. Quando fizermos alguma recreação, façamo-lo por amor ao Senhor. Quando não tivermos, que seja também por Sua causa. Portanto, quer tenhamos ou não, o princípio é não prejudicar o nosso corpo.

Se a presença ou ausência de recreação prejudicar o nosso corpo, teremos perda. Não só é mal que danifiquemos o nosso corpo com coisas inapropriadas; também será mal fazê-lo com tarefas que são corretas. O corpo de um filho de Deus não pertence a si mesmo. Portanto, ao considerar a recreação, sempre tenha em conta se esta é ou não boa para o corpo. Se for boa, faça-a; se não, abstenha-se dela. A questão não deve ser decidida sobre a base de «eu gosto» ou «eu não gosto».

Se uma irmã com problemas cardíacos quer participar de um jogo de bola que outros estão jogando, e o faz, pode sofrer as consequências disso. Não é uma coisa má que os irmãos joguem, mas será um mal que essa irmã jogue.

Que todos os filhos de Deus vejam que tudo o que fazemos é para servir ao Senhor. Se nos ocuparmos em certa atividade recreativa, o nosso propósito é servir melhor a Deus.

6. Não ser pedra de tropeço

Como cristãos, devemos ser exemplos em tudo. Inclusive no assunto da recreação, não devemos ser um obstáculo para outros. Vivemos para os nossos irmãos, assim como para o Senhor; não vivemos para nós mesmos. Como cristãos somos influenciadores, pelo qual devemos nos preocupar não só por nós mesmos, mas também pelo outros.

Não podemos murmurar e dizer: «por que as pessoas olham para nós?». A quem mais podem olhar a não ser para nós? É obvio que olharão para nós. Quem pode deixar de ver a cidade que está edificada sobre um monte? Quem não verá a luz sobre a montanha? Não importa como nós mesmos sintamos, devemos considerar como os irmãos e irmãs mais jovens serão afetados por nós. Seremos tropeço para eles nas coisas que fazemos?

Somos filhos de Deus; cremos no Senhor. A partir de agora devemos cultivar uma sensibilidade delicada. Somos responsáveis não só diante de Deus, mas também diante dos nossos irmãos e irmãs.

7. O próprio e o impróprio

Qualquer forma de recreação que os incrédulos julguem inapropriada, os cristãos devem evitá-la. Devemos evitar até certos tipos de recreação que eles aprovam. Estas são duas regras sobre a recreação em relação aos não crentes. O que eles desaprovam, certamente não podemos aceitar. E inclusive não podemos fazer coisas que eles aprovam, como os bailes e os jogos de azar.

Traduzido do Spiritual Exercise, cap. 36.

Design downloaded from free website templates.